A UTILIZAÇÃO DE PORTOS SECOS COMO ELEMENTO CONTRIBUIDOR NA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E NA REDUÇÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS DE RECINTOS ALFANDEGÁRIOS DE ZONA PRIMÁRIA

César Mattos Neto, Mario César Fialho de Oliveira, Thiago Nazaré Bittencourt, Marcus Antônio Croce

Resumo


A logística vem se mostrando um recurso estratégico para obter e sustentar vantagens competitivas de organizações no mercado. Estudos apontam que o Brasil apresenta uma precária infraestrutura nesse setor, principalmente no que tange portos, aeroportos e fronteiras alfandegárias. O “Porto Seco” é um mecanismo que tem se mostrado eficaz em casos de distribuição no país. O objetivo central então é mostrar que através do “Porto Seco”, existe uma possibilidade de melhoria na infraestrutura logística nacional. A metodologia desta pesquisa está amparada em uma bibliografia pertinente, identificando as vantagens e desvantagens da utilização desse canal. Nos resultados, identifica-se que o Porto Seco é fator de competitividade internacional para as empresas-cliente e contribui de maneira prospectiva nos fluxos logísticos para a elevação do nível de serviço e na redução de custos.


Palavras-chave


Logística, Recintos Alfandegados, Portos Secos, Custos, Nível de serviço

Texto completo:

PDF

Referências


BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. Atlas, 2011.

BOWERSOX. Donald J. CLOSS, David J. Logística empresarial: O processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, 2001.

BOWERSOX, D. J., Closs, D. J., Cooper, M. B. Gestão logística da cadeia de suprimentos.4ª ed.,Porto Alegre, AMGH Editora,p.31-57, 2013

ROCHA, Paulo Cesar Alves. Logística & aduana. 2ª ed., São Paulo, Edições Aduaneiras, 2003.

______________________. Logística & aduana. 3ª ed., São Paulo, Ediçoes Aduaneiras, 2011.

ROSO, Violeta; Factors Influence Implementation of a Dry Port. In: International Forum on Shipping, Ports and Airports,Sweden: Anais. Sweden: ICMS, 2009, p. 2-14.

_____________. Emergence and significance of dry ports. Chalmers tekniska högskola, 2006, p,1-46.

ROWLEY, Jennifer; SLACK, Frances. Conducting a literature review. Management Research News, v. 27, n. 6, p. 31-39, 2004.

NG, Adolf KY; PADILHA, Flavio; PALLIS, Athanasios A. Institutions, bureaucratic and logistical roles of dry ports: the Brazilian experiences.Journal of Transport Geography, v. 27, p.1-10, 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUIAVIÁRIOS (ANTAQ).Sistema Portuário Nacional. Disponível em.Acesso em 19 de Março de 2016.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUIAVIÁRIOS (ANTAQ).Estatística Anuários. Disponível em < http://www.antaq.gov.br/Portal/Estatisticas_Anuarios.asp#>. Acesso em 01 de Abril de 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PORTOS SECOS E CLIAS. O que são Portos Secos e Clias. Disponível em . Acesso em 25 de Março de 2016

CARDOSO, F. Eadi,“Uma opção aduaneira vantajosa e econômica.” Revista Tecnologistica: Publicare, São Paulo, ano VI, n. 65, p. 42-55, abril 2001.

CASTIGLIONI, José Antonio de Mattos; NASCIMENTO, Francisco Carlos do. Custos de processos logísticos. Érica, São Paulo,2014.P.5-136

LOUZADA, Cláudia Espindola Cabral. Panorama dos portos secos no Brasil: avaliação e perspectivas. Dissertação (Mestrado em Engenharia Industrial) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

MARINO, S. Eadis, Um mercado em compasso de espera. Revista Tecnologistica, Publicare, São Paulo, v. 8, n. 78, p. 36-53, maio 2002.

MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIA E COMERCIO EXTERIOR(MDIC). Totais mensais e acumulados (janeiro 1989 a fevereiro 2016) Disponível em . Acesso em 25 de Março de 2016

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Decreto nº 6.759, de 5 de Fevereiro de 2009. Disponível em .Acesso em 01 de Abril de 2016.

RECEITA FEDERAL. Local de Realização do Despacho. Disponível em < http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/aduaneira/manuais/despacho-de-importacao/topicos-1/conceitos-e-definicoes/local-de-realizacao-do-despacho> Acesso em 31 de Março de 2016

SECRETARIA DE PORTOS. Sistema Portuário Nacional. Disponível em Acesso em 03 de Março de 2016

WORLD ECONOMIC FORUM. Competitiveness Rankings 2015-2016. Disponível em < http://reports.weforum.org/global-competitiveness-report-2015-2016/competitiveness-rankings/#indicatorId=GCI.A.02/>. Acesso em 19 de Março de 2016


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.